Notícias

18 Julho 2016

Congresso dos franciscanos conventuais discute postura ativa diante da atual geração

Escrito por 

Debates abordaram a volta à simplicidade de missões e o testemunho como atrativo vocacional 

As últimas conferências do Congresso FALC que aconteceram no sábado, dia 16, trouxeram muitas provocações à tona para os Franciscanos Menores Conventuais da América Latina. Logo pela manhã, uma conversa com Lina Boff, professora emérita do departamento de teologia da PUC-Rio, frisou a memória evangelizadora franciscana desde 1946 até 2016.

Ao perpassar cada época, Boff comentou a ação do Espírito Santo sobre a Igreja que a transforma constantemente, “movimenta as águas paradas” e que a “revelação está sempre em andamento. Nós somos a revelação”.

A professora emérita citou ainda a mulher e sua relevância nesse contexto, além de destacar a importância da missão, tendo em mente que, para fazê-la, é preciso ser sempre “uma Igreja em saída, que é hoje a marca da Igreja com Papa Francisco,” e trazer “tanto a Boa nova quanto as obras sociais, pois as duas são necessárias”.

Além disso, foi afirmado que é indispensável fortalecer cada vez mais os testemunhos de vida com o carisma franciscano porque, segundo Boff, é preciso “testemunhar a identidade, aceitar as diferenças em comunidade, sair da acomodação e retomar o caminho”.

A mesma observação foi feita na mesa redonda com a Irmã Clarissa Maria Clara da Trindade, Frei Ilson Fontenele e Frei Carlos Charles, com a moderação de Frei Carlos Trovarelli.

Resumindo a colocação dos religiosos, se faz necessário hoje, para orientar o trabalho franciscano evangelizador, encontrar-se com a misericórdia de Deus, com o ser humano na educação, amor, carinho e espiritualidade, além de reencontrar-se com a origem franciscana.

A discussão da mesa redonda tocou novamente e a fundo no assunto das vocações e como é essencial se posicionar frente às novas gerações e suas culturas.

“A nossa cultura hoje é liquidificada, a juventude é líquida, e muito imediatista. E, nesse contexto, o jovem entra no seminário hoje querendo ser padre amanhã, mas eles não querem viver o processo formativo. O frade formador precisa transmitir o carisma e também vai ter que ir às bases, trabalhar o indivíduo”, falou Frei Fontenele e completou dizendo que “o ensino converte, mas aquilo que o formando vê o arrasta”.

Ao final da atividade, foi apresentada a nova versão da Revista Decires, que antes era impressa e agora passa a ser online. Os acessos já passam de 6 mil e é possível se inscrever no site www.revistadecires.com.

Na parte da tarde, os frades se dividiram em grupos de discussão sobre o que foi apresentado durante a manhã. Para enriquecer os debates, estiveram presentes, por todo o dia, jovens da JUFRA (Juventude Franciscana), OFS (Ordem Franciscana Secular) e Fraternidade São Francisco de Assis do RJ.

Para fechar os trabalhos de sábado, houve apresentação cultural de danças tipicamente brasileiras.  

Ministério de Reflexão da FALC

O penúltimo dia de Congresso ainda reservou um anúncio importante: a apresentação oficial do novo coordenador do Ministério de Reflexão da FALC (Federação da América Latina para Conventuais).

Depois de dez anos de coordenação de Frei Darío Mazurek, a responsabilidade passa para Frei Rogério Xavier. Ambos se cumprimentaram com a alegria fraterna dando início a um novo período de trabalhos.

 

Veja abaixo as fotos:

 

Mais nesta categoria:

Artigos

Ver todos os artigos
© 2018 Ordem dos Frades Menores. Todos os direitos reservados

 
Fale conosco
curia@franciscano.org.br