Notícias

15 Agosto 2018

15 de agosto: é celebrado hoje pela Igreja no mundo a Assunção de Nossa Senhora

Escrito por  OFMConv-Notícias

Nesta quarta-feira, 15, a Igreja no mundo celebra a Solenidade da Assunção de Nossa Senhora. No Brasil, a solenidade, que também é conhecida como festa de Nossa Senhora da Glória, é transferida para o domingo seguinte, neste caso, dia 19 de agosto. O Papa Francisco disse hoje no Angelus, “A assunção de Maria, criatura humana, nos confirma nosso destino glorioso”.

O Santo Padre evidencia no Angelus que a assunção ao céu, em corpo e alma, “é um privilégio divino concedido à Santa Mãe de Deus por sua união particular com Jesus. Trata-se de uma união corporal e espiritual, iniciada com a Anunciação e amadurecida durante toda a vida de Maria mediante sua participação singular no mistério do Filho”, acrescentou ele. Francisco também conta que Nossa Senhora vivia como qualquer mulher de seu tempo, entretanto, tudo o que fazia era em união total com Jesus, “no Calvário esta união alcançou o ápice, no amor, na compaixão e no sofrimento do coração. Por isso Deus lhe concedeu uma participação plena também na ressurreição de Jesus. O corpo da Mãe foi preservado da corrupção, como o corpo do Filho”, afirmou ele.

Esta data é um dogma católico solenemente definido através da Constituição “Munificentissimus Deus” do 1º de novembro de 1950 pelo Papa Pio Xll. O texto da proclamação dogmática não afirma que Maria foi elevada ao céu, mas à “Glória celeste”. Não se afirma, portanto, um deslocamento espacial nem uma nova localização, mas a transfiguração do seu corpo e a passagem de sua condição terrestre à condição gloriosa da totalidade de sua pessoa, isto é, corpo e alma. (cf. C. A. Contieri SJ, in A Bíblia Dia a Dia, Paulinas, 2015).

Dom Armando Bucciol, presidente da Comissão para a Liturgia da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), conta que, entre os séculos VI e VII, muitas igrejas celebravam a “dormição de Maria”. Já nos livros litúrgicos do século VIII, esta recebeu o título de “Assunção da Bem-aventurada Virgem Maria”, que passou pela morte, mas que não esteve sujeita aos seus vínculos. O bispo salienta que há alguns testemunhos em escritos apócrifos sobre a morte de Maria, todavia, ele destaca que a tradição ininterrupta da Igreja, testemunhada por Gregório de Tours (594) e por outros padres, é fortalecida pelo fato de que nenhuma relíquia do corpo de Maria foi honrada na antiguidade.

A crença na Assunção é tradicional na Igreja, mas foi, sobretudo no século XVII que se tornou objeto de uma verdadeira construção teológica em reação contra o Jansenismo (teoria de ideais reformistas que dizia que as pessoas estavam predestinadas ao céu ou ao inferno, contrariando o conceito de livre-arbítrio). Maria é dita pelo anjo Gabriel como “cheio de graça”, de forma que este é quase o nome próprio da Virgem - o anjo não a chama “Maria”, mas sim de “cheia de graça”. (Lc. 1,28). Isto quer dizer que Maria nunca esteve sujeita ao império do pecado. Em consequência, não podia ficar sob o domínio  da morte, que entrou no mundo através do pecado (Rm 5, 12). Sendo assim, é lógico dizer que ela não conheceu a deterioração da sepultura, sendo glorificado não somente em sua alma, mas também em seu corpo.

 

Fontes: A12, CNBB, Franciscanos e Montfort.

Mais nesta categoria:

Artigos

Ver todos os artigos
© 2018 Ordem dos Frades Menores. Todos os direitos reservados

 
Fale conosco
curia@franciscano.org.br