Artigos

28 Agosto 2020

A problemática das Redes Sociais: perigo ou inovação?

Escrito por  OFMConv-Notícias

Assustador ou inovador? Veio para salvar ou para condenar almas ao inferno? Devemos endeusar ou satanizar as redes sociais? Bom, esses são alguns questionamentos sobre esta ferramenta tão presente no cotidiano hodierno das pessoas. No entanto, aqui ainda cabe uma pergunta ainda mais provocativa: as pessoas preferem o tempo antes das redes sociais ou o tempo depois delas?

 

Chega de questionamentos. A verdade é que tudo depende do ponto de vista, da faixa etária de quem mais utiliza as redes sociais e também o livre arbítrio de como utilizar esse instrumento mundial. Não irei titubear ao afirmar que a maioria vai preferir o tempo depois das redes sociais. Aqui, para nós, elas são uma mão na roda para se comunicar, interagir, inclusive já são responsáveis por sustentar PIB's de muitos países. Podemos falar com todo o mundo, individual ou ao coletivamente, sem gastar um centavo.

 

O perigo da rede social é o mesmo perigo que uma simples faca apresenta numa sociedade. O objeto que deveria servir apenas para afazeres domésticos pode acabar sendo utilizado para ferir e matar pessoas. Ouvi certa vez que ninguém pode frear o progresso, a tendência. Ou a gente acolhia as redes sociais ou ficaríamos ainda mais para trás.

 

As redes sociais são ferramentas que podem nos conectar a qualquer pessoa no planeta sem que gastemos um centavo para isso. Entretanto, muitas vezes, elas são utilizadas para outros fins - que nem sempre são bons. 

 

 

Deus nos garantiu o livre arbítrio e nos apresentou dois caminhos: o do bem e o do mal e pediu para que escolhêssemos. O perigo está nas pessoas e jamais na ferramenta. Elas (as redes sociais), por si só são espetaculares! Todavia, os manuseadores, muitas vezes, já haviam escolhido o caminho errado e por isso questiono: o perigo está em quem?

 

As redes sociais são utensílios dos quais a sociedade moderna já se tornou dependente. Elas até podem ser um bons meios de comunicação e de partilha de ideias, no entanto, os perigos que estão associados às redes sociais são grandes e os principais são:

  • Ser vítima de um predador sexual; é um perigo que resulta da interação com uma pessoa cuja identidade não se conhece verdadeiramente, pois, os predadores sexuais aparentam ser o que na realidade não são;
  • Assédio de outras crianças (cyberbullying); pessoas que já foram amigas de alguém e que se querem vingar utilizando informações pessoais dessa pessoa contra ela;
  • Roubo de identidade; pessoas que fazem ações maléficas em nome de identidades roubadas com consequências nefastas para os verdadeiros portadores dessa identidade;
  • Phishing: é um método utilizado pelos hackers em que estes se fazem passar por entidades credíveis e honestas para obterem informações pessoais dos usuários.

 

De bullying a predadores sexuais: há muitos perigos escondidos por trás desta maravilhosa ferramenta. 

 

 

Steve Jobs antes de morrer disse que a idéia da internet era apresentar um produto para que TODOS, sem exceção, tivessem acesso aos computadores. Não foi uma criação para a elite ou para um grupo seleto de pessoas, mas sim para o indivíduo. O que talvez ele não soubesse é que o TODO também poderia resultar em diversos problemas sociais e comportamentais.

 

Poderia aqui trazer os exemplos clichês sobre quem é o culpado da problemática até aqui apresentada ou acusar um judas como bode expiatório, mas o problema é o próprio ser humano. Quando Einstein reuniu os elementos químicos ele não premeditava destruir Nagasaki e Hiroshima, mas assim o fizeram.

 

Moral da história: ou curamos o homem ou continuaremos depositando nossas sujeiras nas inovações que são inerentes ao ser humano. Sempre vão surgir ferramentas ainda mais sofisticadas e o que faremos com isso? Iremos impedir o progresso ou as ideais? Seria muito mais rentável cuidar das crianças apresentando a cada uma delas os valores da vida que são invioláveis.

 

Perigos na atualidade:

  • Visionamento de conteúdos ou meterias impróprios (pornografia);
  • Incentivos à violência;
  • Violação de leis ou privacidade;
  • Encontros online;
  • Consumo drogas.

 

 

É mais fácil nos educar para melhor utilizarmos as novas ferramentas do que tentarmos impedir o progresso das mesmas - que não vão parar de se reformular e inovar. 

 

Inclusive dizer que uma faca serve para cortar um pão ou uma carne e não matar ninguém e que as redes sociais servem para interação e avançado tecnológicos e jamais para matar, roubar ou destruir, pois o dono dessa obra tem nome: satanás!

 

Autor: Frei Francisco Bezerra do Nascimento (OFMConv.)

Mais nesta categoria:

Últimas Notícias

Mais notícias

Artigos

Ver todos os artigos
© 2018 Ordem dos Frades Menores. Todos os direitos reservados

 
Fale conosco
curia@franciscano.org.br