Artigos

19 Dezembro 2019

Um franciscano em meio à guerra

Escrito por  OFMConv-Notícias
Um franciscano em meio à guerra Foto: Vatican News/Reprodução

 

O Pe. Firas Lutfi é sírio, franciscano da Terra Santa e ministro da região de São Paulo, que abrange a Síria, o Líbano e a Jordânia. Apesar da guerra, ele permaneceu na Síria com seu povo. Para o portal Vatican News, ele relatou nove anos de violência, destruição e morte, mas contou também sobre como hoje ele ajuda as crianças a encontrar sorrisos em meio a tanto caos.

 

Assistindo televisão, ouvindo rádio ou lendo jornais, parece que a guerra terminou na Síria. A mídia não fala mais sobre isso, ou quase. Isso é motivo de lamentação para o Pe. Lutfi, um franciscano da Terra Santa, mas acima de tudo um sírio na Síria. Ele se importa muito, porque permaneceu em seu país por todos os anos da guerra.

 

"É verdade que em algumas áreas o conflito parou - ele diz - mas devemos levar em conta a realidade: a guerra durou nove anos. Houve destruição maciça, casas demolidas, bairros totalmente arruinados, igrejas que precisam de reconstrução... Metade da população, estamos falando 23 milhões antes da guerra, não há mais, incluindo mortos, refugiados e deslocados", afirmou.

 

Assim, o padre Lutfi descreve a situação atual em seu país, onde a vida é muito difícil. Demografia e economia devastadas. Os jovens foram embora. Crianças e mulheres, sejam elas que permanecem ou que vivem hoje em campos de refugiados, sofrem traumas psicológicos profundos. As sanções econômicas, o embargo "que infelizmente o Ocidente continua renovando contra a Síria, pensando em atingir os responsáveis ​​pela guerra" atingiram pessoas comuns, inocentes, crianças e mais pobres.

 

Então, atualmente, é uma luta pela sobrevivência, contra a pobreza. O padre Lutfi vê uma grande desolação ao seu redor, apesar de grande parte do território ter sido libertada pelos jihadistas "que vieram de todo o mundo em mais de 60 nações". Os últimos fundamentalistas se reuniram na área de Idlib, a última fortaleza. "Eles são estrangeiros indesejados em seus países de origem e não os querem mais de volta".

 

A análise franciscana congela, "Infelizmente, a guerra na Síria se tornou objeto de muitos interesses internacionais. Não é mais uma luta contra um regime, não é mais uma luta pela democracia, liberdade de expressão, consciência, mas é uma guerra internacional que envolve russos, americanos, europeus e até o Irã, o Turquia e países do Golfo, cada um com seus aliados", explicou o Pe. Lufti.

 

Esta guerra, padre Lutfi, também chama de "tsunami" porque acabou com tudo. "A Síria ainda continua a sangrar", diz com olhos brilhantes. Ele aguarda a salvação, ou seja, a intervenção de pessoas sábias que começam a planejar a paz. Recentemente, um jovem disse que ele não tinha mais forças para lutar todos os dias e que ele não viveu, mas sobreviveu sem sequer ousar olhar para o horizonte.

 

 

 

Procurando soluções

Como igreja, como franciscano, o padre Lutfi nunca se resignou. Claro, às vezes parecia que tudo desabava e que não havia nada a fazer. Mas um coração franciscano não pode abandoná-lo. Então ele começou a procurar possíveis soluções. "Como faço para ajudar meu povo?", Ele se perguntou várias vezes. A comunidade franciscana mundial já estava fazendo tanto. Graças à solidariedade, graças a tantos benfeitores, eles conseguiram distribuir pacotes de comida e água potável, já que na guerra muitas vezes é a primeira coisa que falta. Mas também foi distribuído dinheiro para financiar microprojetos, ajudar jovens noivos a dar os primeiros passos e construir uma família. "Esses projetos são testemunhos que o Senhor dá e continua a dar", disse o franciscano.

 

Além dessa tragédia, o padre Lutfi tocou a presença de Deus de maneira magnífica e a Igreja sempre está próxima das pessoas que sofrem. Alguns pastores, sob pressão constante da guerra, tiveram que sair. No entanto, a maioria, os bispos, padres e muitas ordens religiosas, decidiram permanecer na Síria. E ele cita como exemplo dois de seus colegas franciscanos que vivem hoje no Norte, perto da fronteira com a Turquia, a poucos passos de Antioquia. "Eles vivem sob o controle não do regime de Assad, mas dos jihadistas. E o que eles fazem lá? Eles estão guardando o pequeno rebanho de cristãos remanescentes”, contou.

 

Com os dois religiosos, existem cerca de 200 cristãos que carregam o cristianismo não apenas em seu DNA, mas também sofrem com a presença concreta e histórica de toda a herança cristã de 2000 anos em Antioquia, onde pela primeira vez em muito tempo, os cristãos tomaram o nome digno de "seguidores de Cristo". Ainda hoje, apesar das muitas dificuldades, eles estão lá, ao lado desses dois frades franciscanos da Custódia da Terra Santa, para continuar testemunhando o amor de Cristo, terno, misericordioso e compassivo em relação a este pequeno rebanho.

 

Reveja o sorriso no rosto das crianças

Dois projetos estão em andamento para os filhos da Síria. Um, na cidade de Aleppo, onde o padre Lutfi viveu durante a guerra. O projeto é chamado de Arte Terapêutica. Por trás dessa denominação, existe toda uma equipe de pessoas e especialistas que fazem todo o possível para ajudar as crianças a se recuperarem do trauma psicológico que as tocou profundamente.

 

É disso que o franciscano fala, “É um grande centro onde há música, esporte, natação. Providenciamos uma bela piscina, porque durante a guerra eles não podiam brincar, sair de casa, estudar por medo de serem mortos”. Durante o verão, mil pessoas frequentaram o centro: funcionários e psicólogos tentaram ajudar essas crianças a encontrar um significado profundo para suas vidas.

 

 

Há também outro projeto muito interessante. "Somente muçulmanos vivem e moram no leste de Alepo", assim começa a descrição do padre. "Durante a guerra, suas terras foram ocupadas por jihadistas, por isso foram abusadas, as mulheres foram estupradas, as crianças foram massacradas... As crianças viram todas as cenas dramáticas das gargantas cortadas e todos os maus-tratos causados por fanáticos".

 

Posteriormente, ele fala dos casamentos mais ou menos forçados de jihadistas com mulheres e crianças sírias nascidas desses sindicatos, cuja existência não é oficial. Não há registro no cartório. Eles estão lá, fisicamente vivos, mas legalmente inexistentes. Quando os jihadistas deixaram Alepo em 2017, a situação encontrada pelo padre Lutfi foi aterradora. "Crianças de 4 ou 5 anos vivem com a mãe ou, às vezes, com a avó, porque os pais não estão mais lá. Alguns são abandonados à própria sorte. Eles nunca frequentaram a escola. Sem mencionar o drama psicológico e a acumulação de medos, de terror, que sofreram durante os combates”, relatou ele.

 

Foram criados dois centros que hospedam 500 meninos e meninas de 3 a 16 anos de idade. O programa que já estava em vigor em seu convento, o Colégio Terra Santa em Aleppo, foi estendido. O padre franciscano enfatiza que os dois centros nascem de uma amizade com o mundo muçulmano: "O mufti (trata-se de um acadêmico islâmico a quem é reconhecida a capacidade de interpretar a lei islâmica, e a capacidade de emitir fataawa – os pronunciamentos legais do Islã) de Aleppo é um amigo muito querido nosso - ele explica - e com o bispo vigário apostólico da comunidade latina da Síria, nasceu uma grande amizade. Primeiro e, acima de tudo, durante a guerra. Portanto, uma primeira fruta foi uma colaboração estreita para salvar a inocência dessas crianças".

 

Este projeto, essa colaboração com os muçulmanos, tem um forte significado para o padre Lutfi. Demonstra a possibilidade de dar sentido à vida, um sentido profundo, um senso de existência e mostra que nunca é tarde para agir e fazer o bem. E acrescenta, “O diálogo não é apenas em torno de uma mesa, mas é feito trabalhando juntos, de mãos dadas, de coração para coração. E é aí que nasce a verdadeira reconstrução da Síria que virá com o tempo. Pode levar 30, 50 anos, mas a verdadeira reconstrução não vem dos tijolos, mas da reconstrução do homem, do ser humano dentro de nós".

 

 

A Síria como uma missão

Quando o padre Lutfi é perguntado por que ele permaneceu na Síria, ele responde da seguinte maneira: "Porque sim, porque sou franciscano, crente e quando o Senhor me criou lá, foi por uma missão: ser Seu rosto, Seus braços. Suas pernas que levam o anúncio, a ternura e a misericórdia de Deus”.

 

O padre Lutfi foi chamado por Deus para viver a realidade, mesmo que seja a realidade dramática da "sua" Síria. O seu "sim" à existência é um "sim" motivado e convencido que o apoia na superação de dificuldades. Na Síria, as pessoas sofrem e morrem todos os dias. E assim ele conclui, "É exatamente como o grão de trigo: se ele não morre, permanece sozinho; se, ao contrário, morre, produz muito fruto, como Jesus diz no Evangelho".

 

 

Autora: Silvonei Protz

Fotos: Vatican News/Reprodução

Traduzido e Adaptado por: Mateus Lincoln

Fonte: Vatican News.

Mais nesta categoria:

Últimas Notícias

Mais notícias

Artigos

Ver todos os artigos
© 2018 Ordem dos Frades Menores. Todos os direitos reservados

 
Fale conosco
curia@franciscano.org.br